domingo, 3 de agosto de 2014



VIDA QUE SEGUE

Vólia Loureiro do  Amaral Lima


Já não dói.
É, antes, apenas uma sombra no olhar,
Que, de repente, perpassa,
E depois vai embora,
Como a chuva passageira.

Já não é mais saudade,
É, antes, apenas uma mania de lembrar,
Como quem, às vezes, deita olhar,
Em alguma foto antiga,
 Amarelada pelo tempo.

Ficaram algumas lembranças,
Alguns ecos de palavras,
De Canções,
Imagens distorcidas,
Pedaços de alguma coisa, ou de nada.

E a vida segue o seu caminho,
Um dia se segue após o outro,
O inverno é sucedido pelo verão.
As águas do rio passam
E não mais voltam mais.

E a gente amanhece e se recria,
Com as flores que nascem,
Depois que a chuva lava tudo,
E a gente cresce e caminha,
Nos risos e lágrimas de cada dia.

24/02/14

Um comentário:

  1. Ainda bem que temos outra chance amiga.Lindo seu poema verdade!
    Beijos...

    ResponderExcluir